23 de fevereiro de 2011

Projeto de Lei: filhos de agentes públicos eleitos em escolas públicas

O senador Cristovam Buarque protocolizou, em 2007, um Projeto de Lei (Projeto nº 480/2007), que "Determina a obrigatoriedade de os agentes públicos eleitos matricularem seus filhos e demais dependentes em escolas públicas até 2014". Caso seja aprovado e obedecido, o senador merecerá condecorações, pois seria um feito histórico num país onde vale o que se diz, menos o que se faz e pratica. Vamos esperar. Qual sua avaliação. O projeto será aprovado?

21 de fevereiro de 2011

Trote sobre calouros da UEM

Passávamos pela Avenida João Paulino Vieira Filho esquina com Herval quando fomos interceptados por calouros da UEM, todos caras pintadas: "Moço, dá uma moeda? Passamos no vestibular para Engenharia e os veteranos estão acabando com a gente para pegar dinheiro para eles". Como sempre fiz, neguei, sobretudo porque não concordo com trote. Há outras formas educativas para recepcionar os calouros. Trote é uma forma de violência moral e psicológica e os veteranos podem ser processados pelo ato forçado e ameaçador. Os calouros não participam porque querem. Pelo contrário, torcem para não sofrer trote. A forma como o calouro se expressou deixou claro: "...os veteranos estão acabando com a gente...".

18 de fevereiro de 2011

Rachaduras no prédio do Juizado Especial de Maringá pode resultar em interdição

Estava no Juizado Especial de Maringá quando o Corpo de Bombeiros e Defesa Civil do Paraná adentraram o local (3ª Vara) para uma vistoria rigorosa - um pente fino - sobre as rachaduras em vários local no prédio. Aparentemente a coisa é séria. A impressão é de que o local seja interditado. As rachaduras são visíveis e os funcionários trabalham com medo. Na prática, o melhor é não colocar em risco a vida dos juízes, promotores, advogados, acadêmicos, população usuária e famílias que residem nos andares posteriores. Um eventual desabamento pode atingir os veículos e população que transitam pela Avenida João Paulino Vieira Filho, assim como o comércio e prédios ao lado e ao fundo do prédio do juizado.

15 de fevereiro de 2011

Equilíbrio

Tenho observado que a Lei municipal obrigando os postos de combustíveis divulgarem a porcentagem entre álcool e gasolina está funcionando na casa dos 70%, combinação perfeita para impedir que os motoristas migrem de um combustível a outro. Não sobra opção aos proprietários de veículos flex. O melhor é não alterar o combustível até que tenhamos certeza ou ganho entre um e outro combustível. Em Maringá, a maioria dos postos trabalham o álcool na casa de R$ 1,87 e já presenciei acima de 1,90. O revoltante é saber que nossa região produz e distribui álcool, mas o mesmo é vendido aqui bem mais caro que na região. Para se ter uma ideia, abasteci ontem em Cruzeiro do Oeste a R$ 1,68 e reabasteci agora pouco em Alto Paraná a R$ 1,69, estando o mesmo entre 10 e 12% mais barato.

14 de fevereiro de 2011

Veículo da Sanepar tem roda e pneu arrancado em velocidade e tem início de incêndio

Era final da manhã de hoje quando seguia para Umuarama e, de repente, em frente a mata da Companhia de Melhoramentos do Norte do Paraná, logo após o Rio Ivaí, vejo fogo na roda de uma caminhonete. Parei para ajudar, mas o motorista já havia controlado as chamas que se inciavam. Era um carro da Sanepar que seguia em direção a Cianorte e teve sua roda e pneu traseiro arrancados (lado do motorista) que cruzou a rodovia e desapareceu no matagal. O veículo arrastou-se pelo asfalto por um longo trecho e em contato com o asfato, pegou fogo. Por sorte não vinha nenhum veículo de frente. Segui minha viagem e o motorista da Sanepar iniciou a ligação para Maringá em busca de socorro. Na viagem, fui me perguntando: como aquela roda saiu, uma vez que as rodas são presas com aproximadamente quatro parafusos cada? Teria sido sabotagem? Caso tivesse sido a roda dianteira, poderíamos ter assistido um capotamento ou colisão com outro veículo.

7 de fevereiro de 2011

Qualidade da comida nos shoppings

É de nosso costume sairmos para refeições nos finais de semana em restaurantes, pesqueiros, shoppings. Mas neste domingo fomos surpreendidos com a baixa qualidade dos alimentos. Primeiro nos entregaram uma faca suja. Em seguida encontramos duas folhas de alfaces sujas. A situação me obrigou dirigir-me por três vezes ao balcão. Da primeira vez fui trocar a faca. Da segunda, levei uma parte do alface com todas as sujeiras vindas da horta. Por último, retornei para mostrar outra folha também sem lavar. As folhas estavam molhadas, mas não lavadas. Pareceu-nos que as mergulharam na água e as colocaram nos pratos dos clientes. Foi constrangimento geral. Tanto de quem atendia no caixa, quanto de quem estava na cozinha. E olhe que era em um grande shopping de Maringá, existente há anos na cidade e de grande prestígio.
Interessante que antes de iniciarmos a refeição, olhávamos a equipe da praça de alimentação limpando as mesas e parecia que os panos utilizados pelas pessoas da equipe eram os mesmos desde que o shopping abriu no domingo. Pareciam não usar álcool na limpeza das mesas. Somente passavam aquele pano que pouco limpava. Ficamos imaginando a quantidade de bactérias naquelas mesas da praça de alimentação. Caso houvesse uma visita dos agentes de saúde nas praças de alimentação dos shoppings de Maringá, adentrando em cada lanchonete, flagrariam cada situação desagradável.

5 de fevereiro de 2011

Trânsito: acidente e violência


  1. Acabo de saber que o secretário de Transporte de Maringá, Walter Guerlles se envolveu agora pouco em acidente no Jardim Alvorada.
  2. Condutor agride agentes de trânsito e foi detido. Todos foram parar na delegacia.

1 de fevereiro de 2011

Nordeste: realidades contraditórias

Após conhecermos Paulo Afonso/BA e suas belezas (Usinas Hidro Elétricas e Rio São Francisco e a transposição pelo interior de Alagoas), conhecermos o interior de Alagoas (Mata Grande, Delmiro Gouveia, Palmeira dos Índios, entre outras) e parte de Pernambuco, fomos descansar em Maceió e praia Barra de São Miguel, conhecendo praia do Francês, praia do Gunga e a cidade histórica de Marechal Deodoro.
Quem viaja ao nordeste para apenas descansar nas belas praias, não conhece o nordeste. São dois mundos, duas realidades contraditórias. No interior está a realidade pobre. No litoral se encontram os turistas, circula o dinheiro, a exploração do pescador e do operário na construção civil que avança a largos passos. Foram nove dias (19 a 27 de janeiro) de observações distintas, comendo as deliciosas comidas regionais recheadas de carne seca, farinha e quase nada de salada.